Terra dos Homens

Terra dos homens Book Cover Terra dos homens
ANTOINE DE SAINT-EXUPERY
142

Saint-Exupéry, nascido em 1900, em Lyon, França, conta nesse livro de memórias como descobriu sua vocação aos 12 anos, ao voar pela primeira vez em um balão. Piloto civil aos 21 anos, aos 26 passa a integrar a equipe de pioneiros que, em pequenos aparelhos a hélice, sem conforto ou pressurização, sobrevoa o Saara e a cadeia andina para levar à Àfrica e à América do Sul o correio aéreo da Europa. Além de exímio piloto, ele se tornaria célebre ao escrever 'O pequeno príncipe'.

 

Saint Exupéry pilotava aviões nos tempos heróicos da aviação comercial – tempo em que os aviões voavam a mil, dois mil metros e, nos dias de céu limpo, podia-se admirar a paisagem lá em baixo. Foi ele um dos primeiros pilotos da Air France a estabelecer a rota do correio aéreo para a África e a América Latina, enfrentando, com instrumentos rudimentares, as travessias do oceano, Sahara, Patagônia e Cordilheira dos Andes.

Pilotando os pequenos aviões na quietude de noites estreladas ou sobrevoando durante horas de um dia interminável a imensidão de desertos e de planícies despovoadas, Saint Exupéry perscrutava agudamente a alma humana. Surge dessa reflexão uma proposta humanista muito peculiar, que entusiasmou muita gente nos anos que se seguiram à Segunda Guerra Mundial.

Panes eram comuns nos tempos heróicos da aviação comercial e nem sempre tinham conseqüências fatais. Os aviões eram menores, menos velozes e planavam com facilidade. Porém, escapando da morte na queda do avião, pilotos e mecânicos tinham de lutar pela vida na caminhada em busca de socorro. Terra dos Homens narra vários desses episódios nos quais foram os valores morais que levaram esses homens a fazer enormes sacrifícios e a encontrar insuspeitadas reservas de energia para vencer desertos, neves eternas, hostilidades de beduinos sublevados.

Não se trata somente de aventuras ou de explorações. Terra dos Homens é também uma amorosa meditação sobre o senso de responsabilidade; o valor do coleguismo, o prazer de uma conversa solta numa roda alegre após um dia duro de trabalho; a emoção de ver o sol se pôr na imensidão do mar, a alegria do aceno da menina aos pilotos que, na rota para o Chile, sobrevoavam um rincão perdido da Patagônia – episódios de um poema em prosa que celebra a natureza, o sentido da vida, a dignidade do trabalhador.

Não falta, porém, no humanismo de Saint Exupéry, a condenação enérgica do sistema que “tem jardineiros para fazer lindos jardins, mas não tem jardineiros para cuidar dos homens”. Ao passar por um vagão de segunda classe de um trem que levava pobres imigrantes poloneses para trabalhar na França, ele clama: “O que me atormenta, não são nem a magreza famélica nem as costas encurvadas, nem a feitura dessa gente. É ver um pouco, em cada um desses homens, Mozart assassinado”.

Ideias Fundamentais:

Além das aventuras reais que o autor viveu, a principal ideia desse livro é expressar a necessidade que temos de ver o mundo a nosso redor. O autor exemplifica refletindo em suas experiências  de vida, desde as mais banais como as de maior adrenalina.

 

Compre com desconto!

Nenhum Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *