Admirável Mundo Novo

Admirável Mundo Novo Book Cover Admirável Mundo Novo
Aldous Huxley
312

Uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, na qual a mera menção das antiquadas palavras “pai” e “mãe” produzem repugnância. Um mundo de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. Um mundo no qual a literatura, a música e o cinema só têm a função de solidificar o espírito de conformismo. Um universo que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade, e que idolatra Henry Ford. Essa é a visão desenvolvida no clarividente romance distópico de Aldous Huxley, que ao lado de 1984, de George Orwell, constituem os exemplos mais marcantes, na esfera literária, da tematização de estados autoritários. Se o livro de Orwell criticava acidamente os governos totalitários de esquerda e de direita, o terror do stalinismo e a barbárie do nazifascismo, em Huxley o objeto é a sociedade capitalista, industrial e tecnológica, em que a racionalidade se tornou a nova religião, em que a ciência é o novo ídolo, um mundo no qual a experiência do sujeito não parece mais fazer nenhum sentido, e no qual a obra de Shakespeare adquire tons revolucionários. Entretanto, o moderno clássico de Huxley não é um mero exercício de futurismo ou de ficção científica. Trata-se, o que é mais grave, de um olhar agudo acerca das potencialidades autoritárias do próprio mundo em que vivemos. Como um alerta de que, ao não se preservarem os valores da civilização humanista, o que nos aguarda não é o róseo paraíso iluminista da liberdade, mas os grilhões de um admirável mundo novo.

 

Uma história publicada em 1931, “Admirável Mundo Novo” trata de uma sociedade futurística e distópica. Huxley faz uma crítica sobre o destino da humanidade.

Os humanos não nascem mais, “são cultivados” e vivem numa sociedade onde o Fordismo foi implantado até o ponto extremo. Henry Ford era considerado o “messias” e reverenciado por toda a população.

Um dos pontos interessantes desse livro é que todos os homens e mulheres dessa sociedade aparentam ser felizes. Em meio a orgias, uso do “Soma” (droga que faz o indivíduo sentir-se feliz) e o trabalho de cada dia, os habitantes dessa sociedade vivem uma vida sem sentido.

A cultura é deixada de lado. Só o presente importa: a história e o passado são deixados de lado juntamente com obras literárias e artistas. O ser humano se torna vazio.

Ideias Fundamentais:

Ao ler a obra nos deparamos com uma crítica severa à sociedade do tempo do autor e aos rumos que ela segue. O livro ajuda muito a entender o período em que foi escrito, bem como a sociedade atual. Um clássico da literatura é também considerado um livro filosófico.

Aldous Huxley foi um escritor inglês. Passou parte da sua vida nos Estados Unidos, e viveu em Los Angeles de 1937 até a sua morte, em 1963. Mais conhecido pelos seus romances, como Admirável Mundo Novo e diversos ensaios, Huxley também editou a revista Oxford Poetry e publicou contos, poesias, literatura de viagem e guiões de filmes.  

Compre com desconto!

2 Comentários

  • Enrique setembro 14, 2016em2:53 am

    Um de meus livros favoritos!

  • Antonio Carlos setembro 15, 2016em11:51 am

    Meu tbm. 1984 de George Orwell também é muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *